AS IDEOLOGIAS FAZEM SUAS VÍTIMAS – Por Hermes Rodrigues Nery

Palestra proferida no Seminário sobre “Ideologia de Gênero”, na Paróquia Imaculada Conceição, no Rio de Janeiro, em evento organizado pelo Movimento Sentinelas, em 31 de outubro de 2015

Caríssimos amigos,

Prof. Hermes RodriguesNesta semana, exatamente em 28 de outubro, celebramos os dez anos de fundação do nosso Movimento Legislação e Vida, na Diocese de Taubaté, na cidade de São Bento do Sapucaí, atendendo ao apelo feito pelo papa São João Paulo II na encíclica Evangelium Vitae, exortando-nos para afirmar a cultura da vida, em meio a forças tão adversas que se intensificam contra a vida e a família, forças também anticristãs, que requer de nós maior oração e vigilância e ainda ação propositiva [ora et labora], para o combate que se faz necessário a esta conjura contra a vida, que vem assumindo proporções enormes, em nossos dias, e em quase todas as partes do mundo. Daí ser significativo o nome do movimento que organiza esse encontro, que se propõe à reflexão de aspectos dessa conjura contra a vida, expressa em “ideologias do mal”, que exige de nós prontidão, disponibilidade, solicitude, fidelidade ao chamado do Senhor, ao Evangelho da Vida, que requer de nós que estejamos em “sentinelas”, com a lareira acesa, empunhado com o archote da vida, pois será cobrado de nós, sabemos disso, de cada um de nós, enquanto cristãos, do nosso posicionamento diante dos desafios que aí estão, da nossa resposta ao chamado do Senhor pela defesa da vida e da família.

Sabemos que a cultura da morte, forjada, fomentada e disseminada por potências econômicas e políticas [cujo diagnóstico de suas causas históricas e pressupostos filosóficos tem sido explicitado em várias exposições públicas feitas ultimamente e estão disponíveis no youtube], por isso, quero aqui, neste encontro, junto com o meu professor de Bioética, dom Antonio Augusto Dias Duarte, recentemente integrado à Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, fazer uma breve reflexão sobre a questão da ideologia, e como nós, enquanto Igreja somos chamados a enfrentar a cultura da morte, combatendo a ideologia que dá expressão a esta cultura, uma ideologia contextualizada “na grande crise moral do mundo ocidental, considerado como o mundo cristão”1, uma ideologia que se volta contra a natureza humana, a verdade sobre a realidade do que é o ser humano; uma ideologia portanto, inumana e anticristã, porque os fatos comprovam que o cristianismo é o que está mais comprometido com a defesa da dignidade da vida humana, em toda a sua inteireza. E como toda ideologia, que parte de falsas premissas filosóficas, torna-se perigosa pelo seu efeito de corrosão dos valores humanos, pelo seu poder de destruição, de condenação a um estilo de vida equivocado, que trai o verdadeiro sentido da vida, seduzindo os incautos a uma falsa concepção de liberdade, que de modo algum resulta na felicidade, pelo contrário, na angústia de um desvio, que resulta no próprio absurdo, da vida sem sentido, sem direção à sua verdadeira finalidade.  Por isso, o cristianismo se opõe a estes enganos, porque “a condenação é o antônimo da salvação”2, e a “soteriologia cristã é uma soteriologia da vida em plenitude [na dimensão última e definitiva, por isso rezamos no Credo: “Cremos na vida eterna], esta que é a soteriologia do Divino Amor”3. E mesmo sabendo que “embora de corpo e alma totalmente voltado para a vida eterna, para a felicidade que se encontra no próprio Deus, o Cristianismo, e especialmente o cristianismo ocidental, nunca se mostrou indiferente em face do mundo. Sempre esteve aberto ao mundo, às suas interrogações, às suas inquietudes, às suas expectativas”4. Por isso a nossa convicção, e a nossa esperança, com o realismo cristão, de que – como disse Ratzinger – “a fé cristã tem muito mais futuro do que as ideologias que a convidam a abolir a si mesma”5. Sabemos disso e cremos nisso firmemente.

Por isso, quando falamos de vida, da cultura da vida, nos referimos à verdade da vida plena, que começa aqui a ser edificada e decidida, pois começamos aqui o que seremos na eternidade. E as ideologias que se ancoram na falsidade e no abuso de poder, comprometem o corpo e a alma do ser humano [a pessoa por inteiro], e é justamente isso, na atual fase de conjura contra a vida, que os forjadores de tais ideologias querem atingir: o âmago do que somos e à verdadeira felicidade em nossa destinação final, pois destinados estamos todos à vida eterna,  somos então chamados hoje, enquanto Igreja, a discernir aqui e agora, sobre tais enganos e perigos, e a tomar a decisão pela vida [“Escolhe, pois a vida!”, Det. 30, 19], a afirmar a cultura da vida, no combate a estas ideologias, especialmente, a ideologia de gênero.

Para Jorge Scala, é “a ideologia mais radical da história”6, que visa destruir “o ser humano em seu núcleo mais íntimo”7, e também “é a mais sutil porque não procura se impor pela força das armas (…) mas utilizando a propaganda para mudar as mentes e os corações dos homens”8. E ainda porque “é necessariamente ambígua. Utiliza o engano como um meio imprescindível para alcançar sua finalidade. A razão é óbvia: aquele que pretende usar os outros em seu próprio benefício não pode dizê-lo abertamente”9. Daí utiliza-se da “manipulação da linguagem”10, daí a profunda revolução cultural em curso, pois “a cultura tem como base a linguagem, que é um dado natural, só próprio do ser humano”11.

E tudo isso para promover uma reengenharia social global, alterando o significado das coisas, atribuindo novos significados às palavras, mudando-lhes o conteúdo, para evitar toda e qualquer resistência consciente à esta agenda antivida e antifamília, a agenda de gênero (que emergiu a partir dos anos 90, nas grandes conferências internacionais da ONU), agenda esta que pretende implementar “em todos os programas, em todos os níveis e em todos os países”12, e “impor uma nova antropologia, que é a origem de uma nova cosmologia e que provoca uma mudança total nas pautas morais da sociedade”13, aliás uma agenda inteiramente amoral e imoral, imbuída de darwinismo social e eugenismo, por uma lógica que faz da ideologia de gênero “uma ferramenta de poder”14, vulnerabilizando as pessoas, fragilizando-as, destituinda-as de humanidade, atomizando a sociedade, para o melhor controle e manipulação social. Por que tais ideologias, ao se utilizarem da manipulação para seus fins, exercem a pior forma de poder, e a pior forma de violência; pois, como explicou Mário Stoppino, “a manipulação é um fenômeno unívoca e insofismavelmente negativo. Entre todas as formas de poder, é ela que acarreta mais grave condenação moral. Tem-se afirmado, por exemplo, que ela constitui a face mais ignóbil do poder’ é a forma mais inumana de violência’ ou quem dela é vítima, ‘é espoliado da alma’”15. E a ideologia de gênero provoca justamente isso: a ‘espoliação da alma’ ao violentar o corpo, negando a verdade de sua natureza, enquanto natureza humana. Há aí a transgressão.

Daí que a “grande crise moral do mundo ocidental, considerado cristão”16 é decorrente da corrosão provocada por tais ideologias, e de modo mais grave pela ideologia de gênero: uma crise que ameaçaa família, “até nas suas próprias bases.”17Crise que se agudizou quando tais ideologias visaram minar a unidade familiar, o que sublinhou o papa Bento XVI, no discurso de Natal à Cúria Romana, em 2012, falando sobre “a profunda falsidade”18 da ideologia de gênero, dizendo que “na questão da família, não está em jogo meramente uma determinada forma social, mas o próprio homem: está em questão o que é o homem e o que é preciso fazer para ser justamente homem”19.

Ainda naquele pronunciamento, ele ressaltou:

“Se antes tínhamos visto como causa da crise da família um mal-entendido acerca da essência da liberdade humana, agora torna-se claro que aqui está em jogo a visão do próprio ser, do que significa realmente ser homem.”20 E menciona “o célebre aforismo de Simone de Beauvoir: ‘Não se nasce mulher; fazem-na mulher – On ne naît pas femme, on le devient’. Nestas palavras, manifesta-se o fundamento daquilo que hoje, sob o vocábulo ‘gender – gênero’, é apresentado como nova filosofia da sexualidade. De acordo com tal filosofia, o sexo já não é um dado originário da natureza que o homem deve aceitar e preencher pessoalmente de significado, mas uma função social que cada qual decide autonomamente, enquanto até agora era a sociedade quem a decidia. Salta aos olhos a profunda falsidade desta teoria e da revolução antropológica que lhe está subjacente. O homem contesta o fato de possuir uma natureza pré-constituída pela sua corporeidade, que caracteriza o ser humano. Nega a sua própria natureza, decidindo que esta não lhe é dada como um facto pré-constituído, mas é ele próprio quem a cria.”21

E ainda, num outro momento, explicou lucidamente que:

“A ideia de libertação – se pudermos chamar de liberdade o denominador fundamental da espiritualidade moderna e do nosso século – também se fundiu com a ideologia feminista. A mulher é considerada o ser oprimido por excelência; por essa razão, a libertação da mulher é o núcleo de toda atividade de libertação. Aqui se ultrapassou, por assim dizer, a teologia da libertação política com uma antropológica. Não se pensa apenas na libertação dos vínculos próprios ao papel da mulher, mas na libertação da condição biológica do ser humano. Distingue-se então o fenômeno biológico da sexualidade das suas expressões históricas, às quais se chama gênero, mas a revolução que se quer provocar contra toda forma histórica da sexualidade conduz a uma revolução que também é contra as condições biológicas; já não pode haver dados naturais; o Homem deve poder moldar-se arbitrariamente, deve ser livre de todos os condicionalismos do seu ser; ele próprio se torna o que quer, e só desse modo é realmente livre e está libertado. Por trás disso, encontramos uma revolta do homem contra os limites que o seu ser biológico envolve. Trata-se, por fim, de uma revolta contra a própria condição de criatura. O Homem deve ser o criador de si mesmo – uma nova edição, moderna, da velha tentativa de ser Deus, de ser como Deus”22.

E acrescenta que:

“Na luta pela família, está em jogo o próprio homem. E torna-se evidente que, onde Deus é negado, dissolve-se também a dignidade do homem. Quem defende Deus, defende o homem.”23

Ideologias e abusos de poder

As ideologias que se voltam contra o ser humano é uma constante na história, desde a Antiguidade até os dias de hoje. A Sagrada Escritura relata sistemas opressores que foram sucumbidos [Moisés diante do faraó é um exemplo clássico disso!], sistemas que fizeram as suas vítimas. Assim como hoje, as ideologias fazem as suas vítimas, por isso precisamos estar em sentinela, para evitar tais danos. Toda e qualquer ideologia, nesse sentido, é resultado de abusos do poder, e a história mostra as consequências dolorosas de tais abusos. Estive, ainda neste mês, na Polônia e pude constatar as evidências materiais expostas das vítimas que sofreram e morreram no campo de concentração de Auschwitz-Birkenau. Foi terrível a constatação de tanto sofrimento, decorrente de uma ideologia expressa numa das piores formas de totalitarismo. Mas enganam-se os que pensam que estamos imunes de tais formas de totalitarismos, porque hoje justamente tais ideologias – como a ideologia de gênero – pode favorecer um totalitarismo pior ainda, porque mais sutil e sofisticado, a vitimar o corpo e a alma daqueles que deixarem ser subjugados por tal ideologia.

A própria Simone de Beauvoir entendeu que “a infância é a chave de toda existência”24, por isso é que devemos proteger a infância, para que as nossas crianças não sejam as maiores vítimas dessa ideologia. Por isso, até mesmo dentro da Igreja, os ateus militantes querem acabar com a catequese, porque imbuídos de tais ideologias, querem minar a sã doutrina católica, porque sabem da força do cristianismo, para vencer tais ideologias.

Sabemos pela história, do esforço de “desmantelamento do cristianismo pela filosofia crítica”24, com “a ambição de mudar a realidade”25, falseando-a com o idealismo, premissa de muitas destas ideologias, que adotam “premeditadamente a tática da ambiguidade”26. A partir do mote “biologia não é destino”27, para justificar que o “ser é fazer-se ser”28, no referencial reducionista que descarta a realidade sobrenatural, para justificar a satisfação de todo prazer e de todo poder, porque só nesta lógica darwinista, desprovida de Deus, é possível o mais forte subjugar o mais fraco, para a satisfação de todos os desejos, de todas as transgressões e perversões.

A lógica da ideologia de gênero é utópica, idealista e portanto irrealista, pois tem como objetivo final “a completa eliminação das diferenças sexuais nos seres humanos, como pressuposto para um ‘mundo novo’”29, e “para isso se consegue eliminando o casamento e a família tradicional. Isso se consegue fazendo lésbicas homossexuais e bissexuais desde o berço. O sexo é unicamente para o prazer. As relações sexuais devem ser polimorfas e livres. O aborto, livre também. Tudo vale neste novo mundo do gênero”30.

“Não nos deixeis cair em tentação”

Sabemos também, enquanto cristãos, o que rezamos com a petição que fazemos no Pai Nosso: “e não nos deixemos cair em tentação”. E tais ideologias, dentre elas a perversa ideologia de gênero, é expressão de uma gravíssima tentação, que conduz a uma queda do ser, da sua humanidade, por isso a petição seguinte: “livrai-nos do mal”, justamente porque “o núcleo de toda tentação – isso se torna visível aqui – é colocar Deus de lado, o qual junto com às questões urgentes da nossa vida aparece como algo secundário”31.

E mais, nos diz Bento XVI:

“Pertence a essência da tentação o seu aspecto moral: ela não nos convida diretamente para o mal, isso seria grosseiro. Ela pretende mostrar o que é melhor para nós: pôr finalmente de lado as ilusões e dedicar-se de todas as formas à melhoria do mundo”32. É a utopia de todos os idealismos, assim com esta utopia, da satisfação total dos desejos, da transgressão total, tendo Deus “como uma ilusão: aqui está a tentação que de muitas formas hoje nos ameaça”33.

Com discernimento, que é dom do Espírito Santo, temos que aprofundar os nossos estudos dessa problemática, pela sua complexidade, para encontrar os meios adequados para uma evangelização que também não esteja imbuída desta ambiguidade, porque temos visto também, até mesmo entre católicos, uma dificuldade crescente de fazer com que a sã doutrina seja compreendida, por causa da ideologização da fé, e da instrumentalização da Igreja, em certos casos e por certos segmentos, também para fins contrários à fé cristã. A astúcia dos ideólogos vem permitindo que, até dentro da Igreja, por conta do relativismo, muitos deixam de dar a devida importância sobre essas questões que aqui estamos tratando, por justamente carecer de solidez doutrinal, capaz do discernimento que se faz necessário, em meio a todos esses desafios da atualidade. Muitas vezes, em decorrência da ideologização da fé, esvazia-se o conteúdo do que é essencial, e então, “os vocábulos da fé e da mensagem católica continuam a ser proferidos, mas com sentido totalmente diverso daquele que lhes é dado na autêntica teologia”34. Por isso, um encontro como este permite alargarmos o horizonte, nesta partilha de informações, para que estejamos mais dispostos e convencidos do quanto urge não estarmos omissos diante dessas ameaças, e o quanto o nosso tempo vem exigindo de nós, reafirmar aquela decisão fundamental; “Escolhe, pois, a Vida!”35.

Muito obrigado.

Na foto acima, participantes do Seminário sobre Ideologia de Gênero, no Rio de Janeiro: Henrique Lima, Carlos Dias, Pedro (Mov. Sentinelas), Prof. Hermes Rodrigues Nery, Profª. Fernanda Takitani Chris Reis, Lucas e Priscila (Movimento Sentinelas).

Na foto acima, participantes do Seminário sobre Ideologia de Gênero, no Rio de Janeiro: Henrique Lima, Carlos Dias, Pedro (Mov. Sentinelas), Prof. Hermes Rodrigues Nery, Profª. Fernanda Takitani, Chris Reis, Lucas e Priscila (Movimento Sentinelas).

Referências: 

  1. RATZINGER, Joseph, O Sal da Terra – O Cristianismo e a Igreja Católica no Limiar do Terceiro Milênio – Um Diálogo com Peter Seewald, Ed. Imago, 1997, p. 194.
  2. S. João Paulo II/Vittorio Messori, Cruzando o Limiar da Esperança, p. 80, Livraria Francisco Alves 1994.
  3. Ib. p. 82)
  4. Ib. p. 84
  5.  Joseph Ratzinger, O Sal da Terra – O Cristianismo e a Igreja Católica no Limiar do Terceiro Milênio – Um Diálogo com Peter Seewald, Ed. Imago, 1997, p. 205.
  6. SCALA, Jorge, Ideologia de Gênero – O neototalitarismo e a morte da família, p. 11, Ed. Katechesis, São Paulo, 2011.
  7. Ibidem.
  8. Ibidem.
  9. Ib. p. 12.
  10. Ibidem.
  11. REALE, Miguel, Variações, p. 143, Edições GRD, São Paulo, 2000.
  12.  SCALA, Jorge, Ideologia de Gênero – O neototalitarismo e a morte da família, p. 18, Ed. Katechesis, São Paulo, 2011.
  13. Ibidem.
  14. Ib. p. 11.
  15. STOPPINO, Mario, Verbete “Manipulação”, do Dicionário de Política (Org. Norberto Bobbio, Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino), p. 728, Vol. 2, Editora Universidade de Brasília, 1992.
  16.  RATZINGER, Joseph, O Sal da Terra – O Cristianismo e a Igreja Católica no Limiar do Terceiro Milênio – Um Diálogo com Peter Seewald, Ed. Imago, 1997, p. 194.
  17.   BENTO XVI, Discurso de Natal à Cúria Romana sobre a “profunda falsidade” da ideologia de gênero e o diálogo. [http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/speeches/2012/december/documents/hf_ben-xvi_spe_20121221_auguri-curia.html]
  18. Ibidem.
  19. Ibidem.
  20. Ibidem.
  21. Ibidem.
  22.  RATZINGER, Joseph, O Sal da Terra – O Cristianismo e a Igreja Católica no Limiar do Terceiro Milênio – Um Diálogo com Peter Seewald, Ed. Imago, 1997, p. 108.
  23. BENTO XVI, Discurso de Natal à Cúria Romana sobre a “profunda falsidade” da ideologia de gênero e o diálogo. [http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/speeches/2012/december/documents/hf_ben-xvi_spe_20121221_auguri-curia.html]
  24. BEAUVOIR, Simone de, Balanço Final, p. 44, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2003.
  25. PAZ, Octavio, Os Filhos do Barro, p. 135, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1984.
  26. BETTENCOURT, Pe. Estevão, osb, “Teologia da Libertação: ambiguidades”, in Teologia da Libertação, Ensaios e Reflexões, org. Ivanaldo Santos, p. 39, Letra Capital Editora, Rio de Janeiro, 2010.
  27. https://www.youtube.com/watch?v=4M4QQMRio0I
  28. BEAUVOIR, Simone de, Balanço Final, p. 44, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 2003.
  29. SCALA, Jorge, Ideologia de Gênero – O neototalitarismo e a morte da família, p. 59, Ed. Katechesis, São Paulo, 2011.
  30.  Ib. p. 61.
  31. RATZINGER, Joseph/BENTO XVI, Jesus de Nazaré, 1ª parte, p. 41, Editora Planeta, São Paulo, 2007.
  32. Ib. pp. 41-42.
  33. Ib. p. 41.
  34.  BETTENCOURT, Pe. Estevão, osb, “Teologia da Libertação: ambiguidades”, in Teologia da Libertação, Ensaios e Reflexões, org. Ivanaldo Santos, p. 29, Letra Capital Editora, Rio de Janeiro, 2010.
  35. Dt, 30, 19.

Prof. Hermes Rodrigues Nery é especialista em Bioética (pela PUC-RJ), Presidente da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família. E-mail: hrneryprovida@uol.com.br

Anúncios

Um comentário sobre “AS IDEOLOGIAS FAZEM SUAS VÍTIMAS – Por Hermes Rodrigues Nery

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s